Donos de lojas virtuais apostam em outras opções de entrega - Thiago Programador
WeCreativez WhatsApp Support
Mande sua mensagem através de meu Whatsapp. Em breve já te respondo.
Olá, como posso te ajudar?

Donos de lojas virtuais apostam em outras opções de entrega

Donos de lojas virtuais apostam em outras opções de entrega

O serviço dos Correios vem sendo criticado frequentemente nos últimos anos, e isso ocorre principalmente devido a atrasos na entrega. Em algumas regiões, a situação é ainda mais grave pois, os Correios têm recusado realizar a entrega de mercadorias, enviando notificações aos moradores para que os mesmos compareçam à agência e recolham seus produtos.

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comércio (ABComm) mostrou que, embora 92% dos e-commerces brasileiros utilizem o PAC (serviço de entrega econômico dos Correios), 43,9% consideram o serviço ruim ou péssimo. “Quando um cliente não recebe um produto, ou os Correios atrasam a entrega, o cliente acredita que a culpa é do e-commerce, que não tem nenhuma influência nos serviços de entrega”, isso é o que diz Sven Milharcic, dono de uma empresa de venda de banners online.

Um grande e-commerce pode contratar outras transportadoras para evitar os transtornos causados pelos Correios. Mas os micro e pequenos empresários, que vendem na internet, precisam inovar em suas soluções logísticas para prestar um serviço de qualidade e aumentar a taxa de fidelização de seus clientes.

Foi pensando nisso que João Cristofolini e dois sócios criaram uma startup para melhorar o serviço de entrega. A ideia é a seguinte, empresas físicas recebem encomendas de lojas virtuais e os compradores vão até o local fazer a retirada do produto. A startup recebe R$2,50 enquanto ponto físico recebe R$0,50 por entrega.

O valor que o ponto de entrega recebe pode parecer pequeno, mas essas lojas também ganham em divulgação. Pois, pessoas que moram por perto, que talvez não conhecessem o estabelecimento, acabam tendo contato com o local e veem o que o próprio ponto de retirada comercializa.

Segundo João Salves, dono de uma ótica em São Paulo, o fluxo de clientes aumentou de 5% a 10% desde que ele se cadastrou para ser um ponto de retirada. Para quem compra online também é uma boa opção:

-Quem trabalha e não tem ninguém em casa para recebimento da encomenda, não precisa se preocupar, pois os estabelecimentos funcionam durante o horário comercial.

-Se antes era preciso ir até a agência, longe da residência, e enfrentar filas para receber os produtos, agora é possível ir até pontos mais próximos da residência que, dificilmente terão grandes filas.

A startup já conta com 100 pontos ativos em São Paulo e no Rio de Janeiro e existem mais de mil pontos de retirada em processo de ativação.

Imagem do perfil do programador
Thiago Martins
Empreendedor em Thiago Programador. Tem formação nas áreas de Computação, Análise e Desenvolvimento de Softwares e Programação POO PHP, além de certificação para desenvolvimento de aplicativos móveis.
Google +
Minha página no facebook: Facebook
Associado Amazon